Carrinho de compras
Seu carrinho está vazio

Central de
Atendimento

0

Envio para

Todo Brasil

Descontos

à vista

Whatsapp

(62) 3397-2256

Até 6x

sem juros

Segurança

na sua Compra

15/09/2023

Saiba a origem e Função do Desfibrilador Externo Automático

 Origem, Função e Importância do Desfibrilador Externo Automático

O desfibrilador externo automático (DEA) é uma inovação médica de extrema importância no campo da ressuscitação cardiorrespiratória (RCP) de emergência. Esse dispositivo foi desenvolvido com o objetivo de aumentar as chances de sobrevivência em casos de parada cardíaca súbita, uma condição que pode ser fatal em questão de minutos. Neste artigo, exploraremos a origem, a função e a importância do desfibrilador externo automático.

 

Origem e Evolução

A história do desfibrilador remonta a meados do século XX, quando as primeiras tentativas de reverter ritmos cardíacos anormais foram realizadas por meio de choques elétricos aplicados diretamente no coração. No entanto, esses procedimentos eram invasivos e requeriam um alto nível de especialização para serem realizados com segurança. A verdadeira revolução veio com o desenvolvimento dos desfibriladores externos automáticos, que permitiram que pessoas sem treinamento médico pudessem administrar os choques necessários em casos de emergência.

A década de 1970 marcou o início da criação de dispositivos eletrônicos mais acessíveis e fáceis de usar, culminando no primeiro desfibrilador externo automático comercialmente viável, lançado em meados dos anos 80. Desde então, houve uma evolução contínua na tecnologia desses dispositivos, tornando-os mais compactos, inteligentes e eficazes. Atualmente, os DEAs estão amplamente disponíveis em locais públicos, como aeroportos, shopping centers, escolas e locais esportivos, o que demonstra o reconhecimento de sua importância na sociedade moderna.

 

Função do Desfibrilador Externo Automático

O desfibrilador externo automático é projetado para administrar um choque elétrico controlado ao coração de uma pessoa que sofreu uma parada cardíaca súbita. Durante a parada cardíaca, o ritmo elétrico normal do coração é interrompido, resultando em uma arritmia grave conhecida como fibrilação ventricular. Nesse estado, o coração não consegue bombear sangue de forma eficaz, levando à falta de oxigênio nos órgãos vitais e ao risco iminente de morte.

O DEA atua detectando a fibrilação ventricular por meio de eletrodos colocados na pele do paciente. Uma vez detectada a arritmia, o dispositivo calcula a quantidade e o momento adequados para administrar um choque elétrico. Esse choque, conhecido como "desfibrilação", tem como objetivo reverter a arritmia e permitir que o coração retome um ritmo normal. É importante notar que o DEA só irá administrar o choque se for necessário, evitando choques desnecessários que possam prejudicar o paciente.

 

Importância do Desfibrilador Externo Automático

A importância do DEA é difícil de subestimar. A parada cardíaca súbita é uma das principais causas de morte em todo o mundo, e o tempo é um fator crítico para o sucesso da ressuscitação. Cada minuto que passa sem a administração de um choque aumenta significativamente as chances de danos cerebrais permanentes ou morte. Nesse contexto, os DEAs são essenciais, pois podem ser usados por pessoas leigas antes da chegada de profissionais de saúde, melhorando drasticamente as chances de sobrevivência.

Além disso, a acessibilidade dos DEAs em locais públicos significa que eles estão prontamente disponíveis em momentos de crise. Isso democratiza a capacidade de fornecer atendimento de emergência de alta qualidade, independentemente do conhecimento médico das pessoas ao redor. A facilidade de uso dos dispositivos também é uma característica crucial, uma vez que os DEAs geralmente fornecem instruções claras e passo a passo por meio de áudio ou vídeo.

Em resumo, o desfibrilador externo automático é um exemplo notável de avanço tecnológico que salva vidas. Sua origem, função e importância na RCP de emergência não apenas transformaram a maneira como enfrentamos a parada cardíaca súbita, mas também reforçaram a ideia de que a tecnologia pode desempenhar um papel fundamental na preservação da vida humana. Como esses dispositivos continuam a evoluir, é provável que suas contribuições para a saúde pública só aumentem, ajudando a garantir um futuro mais seguro para todos.