Carrinho de compras
Seu carrinho está vazio

Central de
Atendimento

0

Envio para

Todo Brasil

Descontos

à vista

Whatsapp

(62) 3397-2256

Até 6x

sem juros

Segurança

na sua Compra

20/06/2024

O Uso da Capnografia em Desfibriladores Durante a Abordagem de uma Parada Cardíaca

# O Uso da Capnografia em Desfibriladores Durante a Abordagem de uma Parada Cardíaca

## Introdução

A capnografia é uma ferramenta essencial na monitorização de pacientes em estado crítico, especialmente durante a abordagem de uma parada cardíaca. Integrar a capnografia em desfibriladores tem se mostrado uma prática valiosa para os profissionais de saúde, proporcionando informações cruciais sobre a ventilação e a circulação do paciente. Este artigo explora a importância da capnografia em desfibriladores durante a ressuscitação cardiopulmonar (RCP), baseando-se em diretrizes da American Heart Association (AHA) e de sociedades médicas internacionais, além de evidências científicas recentes.

## Importância da Capnografia na Parada Cardíaca

### Monitorização da Qualidade da RCP

A capnografia mede a pressão parcial de dióxido de carbono no final da expiração (EtCO2), oferecendo um indicador imediato da eficácia da RCP. Níveis adequados de EtCO2 (> 10-15 mmHg) durante a compressão torácica são associados a um melhor fluxo sanguíneo e maior probabilidade de retorno da circulação espontânea (RCE)  . 

### Diagnóstico e Prognóstico

A EtCO2 é útil para prever o sucesso do RCE. Valores persistentemente baixos de EtCO2 (< 10 mmHg) após 20 minutos de RCP são um forte indicador de prognóstico desfavorável, ajudando a guiar decisões clínicas durante a ressuscitação .

### Ajuste da Ventilação

Durante a ressuscitação, a capnografia ajuda a evitar ventilação excessiva, que pode reduzir a pressão intratorácica e o fluxo sanguíneo coronariano. A AHA recomenda a capnografia para ajustar a frequência e o volume das ventilações, otimizando a eficácia da RCP .

## Integração da Capnografia em Desfibriladores

### Funcionalidade Avançada

Desfibriladores modernos incorporam capnografia para fornecer monitorização contínua da EtCO2. Esta integração permite que os socorristas ajustem rapidamente as técnicas de RCP e ventilação com base em dados em tempo real.

### Melhoria da Sobrevivência

Estudos indicam que a utilização de desfibriladores com capnografia integrada está associada a taxas mais altas de sobrevivência com boa função neurológica pós-parada cardíaca . A monitorização contínua da EtCO2 permite intervenções mais precisas e rápidas, melhorando o manejo do paciente durante a parada cardíaca.

## Diretrizes da AHA e Sociedades Médicas Internacionais

### Recomendações da AHA

As diretrizes de 2020 da American Heart Association enfatizam a importância da capnografia durante a RCP e recomendam seu uso para monitorar a qualidade das compressões torácicas e a ventilação do paciente . A AHA destaca que a EtCO2 é um indicador crucial da perfusão durante a RCP e deve ser utilizada para guiar a administração de cuidados durante a parada cardíaca.

### Posições de Sociedades Médicas Internacionais

Outras organizações, como a European Resuscitation Council (ERC) e a International Liaison Committee on Resuscitation (ILCOR), também recomendam a utilização da capnografia em suas diretrizes para ressuscitação. Elas apontam a capnografia como um padrão de monitorização que deve ser empregado sempre que disponível durante a RCP  .

## Conclusão

A integração da capnografia em desfibriladores representa um avanço significativo no manejo de paradas cardíacas. Esta prática, sustentada por diretrizes internacionais e evidências científicas, proporciona aos profissionais de saúde uma ferramenta vital para monitorar a qualidade da RCP, prever o sucesso do RCE e ajustar a ventilação de maneira precisa. A adoção generalizada da capnografia em desfibriladores pode melhorar significativamente os resultados dos pacientes, contribuindo para uma maior taxa de sobrevivência e melhores prognósticos pós-parada cardíaca.

## Referências

1. American Heart Association. (2020). Guidelines for CPR and ECC.
2. European Resuscitation Council. (2021). Guidelines for Resuscitation.
3. Neumar, R. W., et al. (2015). "Post-Cardiac Arrest Syndrome: Epidemiology, Pathophysiology, Treatment, and Prognostication."
4. Nolan, J. P., et al. (2015). "Advanced life support: 2015 International Consensus on Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care Science with Treatment Recommendations."
5. Callaway, C. W., et al. (2015). "Part 8: Post-Cardiac Arrest Care: 2015 American Heart Association Guidelines Update for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care."
6. Soar, J., et al. (2015). "European Resuscitation Council Guidelines for Resuscitation 2015."
7. International Liaison Committee on Resuscitation (ILCOR). (2015). "2015 International Consensus on Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care Science with Treatment Recommendations."
8. Perkins, G. D., et al. (2015). "Cardiac Arrest and Cardiopulmonary Resuscitation Outcome Reports: Update of the Utstein Resuscitation Registry Templates for Out-of-Hospital Cardiac Arrest."